21 de dez de 2010

Cap 9: Levantando a moral.

Música tema do capítulo

Ver Doug beijando outra garota logo de manhã era tão indigesto. Isso podia não significar nada. Nem que eu o beijasse não significaria nada (pra ele). Afinal, hoje em dia, beijar virou quase um aperto de mãos. Eu começava a querer reivindicar a posse do que eu não tinha direito, a posse da exclusividade.

_Aurora! _ouvi o berro do meu treinador no meu ouvido quando pedira tempo pra falar com a equipe. _Onde você está com a cabeça?! Nós vamos ou não vamos ganhar esse jogo? _estava tão feroz que eu podia medir o quanto de passes errados eu perdera por conta daqueles pensamentos. _ Isso aqui é coisa séria!

Eu sabia que as prévias para o campeonato juvenil de handbol (onde eu era a pivô) eram tão sérias pra tradição de campeã da escola que eu não podia estar flutuando em outra dimensão pensando em Doug. Mas, pela primeira vez eu estava também me apaixonando e perigosamente levantando a possibilidade de ficar com um superhumano, isso era realmente importante para mim, que tinha a tradição de perdedora no amor.

_Seja lá em que planeta você está hoje, volte já pra quadra. _ordenou. _Limpe sua mente, esqueça, ok? Jogo, jogo, jogo.

_Vamos lá! _gritei para as garotas da equipe e bati palmas.

Elas me olhavam como a rainha de um clã. Eu tinha as pernas e braços perfeitamente definidos e jogava mais do que todas juntas, sem que elas soubessem que eu também sofria mais do que todas juntas pra atingir aqueles índices com minhas limitações humanas.

_Acho que o treinador vai ter que passar o recado para ele também, se quiser que você jogue bem hoje. _Sandrinha falou baixinha virando sua cabeça para o meu ombro quando estávamos no esquema de defesa 6x0.

Olhei para onde ela estava indicando e vi na beira da quadra o grupo dos meninos se aquecendo pra entrar para a próxima partida e, claro, “o meu planeta”, Doug. A bola passou por mim e foi direto para o gol. As coisas que deu pra ler nos lábios do treinador indicavam que ele agora realmente queria me matar e eu ficaria esquentando o banco pro resto do ano, se não agisse já.

A jogada começou a ser armada e eu me dirigi pra o lado do ataque, onde as 5 jogadores adversárias formavam uma linha de defesa. Nossas meninas começaram a passar a bola de um lado para o outro enquanto eu tentava abrir um espaço pra penetrar na defesa. Posicionei-me como havíamos treinado inúmeras vezes, recebi da armadora, girei e arremessei com uma força que fez a bola estourar no gol.

O treinador não sorriu, apenas fez um gesto de fechar o punho. Eu precisa me esforçar um pouco mais para conseguir sua simpatia. Mas, foram os assovios do grupo dos meninos que me trouxeram emoção as veias.

Vamos dar um pouco de exibicionismo para eles. Retomamos a bola, que me foi entregue livre para eu voar sobre a linha e arremessá-la como um tiro de canhão que quase rasgou a rede. Agora sim um sorriso do treinador, que não me importou tanto quanto Doug que se aproximou da grade e debruçou-se pra me observar com seu cabelo molhado, os brilhantes olhos azuis e os braços fortes saltando da camiseta vermelha. Abaixei a cabeça pra não sorrir e me segurar. Ele não podia ter a vaidade de saber que minha atuação conseguia melhorar consideravelmente por conta apenas da sua presença.

Eu poderia ter arrasado de goleada se não fosse uma falta que me deixou no chão. O treinador correu até mim e perguntou se eu conseguia continuar. Falei que não depois de pensar que era injusto isso acontecer quando estava com Doug ali me admirando. Mas, se eu pegasse pesado teria que explicar a eles porque minhas recuperações não eram tão rápidas.

Saí mancando e muito chateada, peguei minha mochila em um ombro só e fui pra o corredor do vestiário.

_Hei, precisando de ajuda aí? _ouvi a voz que tocava meu coração nos últimos dias e por um momento me esqueci da dor.

_Acho que amanhã eu chego à enfermaria com esse passinho de tartaruga filhote desengonçada... _ri, apertando o saco de gelo na coxa.

_Por isso que eu perguntei se estava precisando de ajuda.

Franzi ligeiramente a testa quando ele se aproximou. Mas, o que estava faz...

Continua...

8 comentários:

Li Mendi disse...

O que Doug vai (deveria fazer)?

Li Mendi disse...

Eu sabia que te amava (tradução) Savage Garden Revisar tradução Cancelar Salvar
Talvez seja intuição
Mas algumas coisas que você apenas não questiona
Como em seus olhos
Eu vi meu futuro em um instante
E lá eu encontrei os meus melhores amigos
Eu sei que pode soar um pouco louco
Mas eu acredito

Eu sabia que te amava antes de te encontrar
Eu acho que sonhei com você toda a vida
Eu sabia que te amava antes de te conhecer
E eu tenho esperado por isso toda minha vida

Não há nenhuma rima ou razão
Somente este sentido do fim
E em seus olhos
Eu vi as partes que faltam
Eu procuro
Eu acho que eu encontrei o meu caminho de casa


Eu sei que pode soar um pouco louco
Mas eu acredito


Eu sabia que te amava antes de te conhecer
Eu acho que sonhei com você toda a vida
Eu sabia que te amava antes de te conhecer
E eu tenho esperado por isso toda minha vida

Mil anjos dançam em torno de você
Eu estou completo agora que eu a encontrei

Eu sabia que te amava antes de te conhecer
Eu acho que sonhei com você toda a vida
Eu sabia que te amava antes de te conhecer
E eu tenho esperado por isso toda minha vida


http://www.vagalume.com.br/savage-garden/i-knew-i-loved-you-traducao.html#ixzz18k9SfImX

Anônimo disse...

Perfeito!
by:lay

Li Mendi disse...

perfect né? beijos. to amando escrever tb.

Camila disse...

ameeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeei Li ta mto bommmmm...não vai tirar ferias do livro não ne???

não me mate nesse final de ano
rsrs



bjoooooooooos

Lívia Costa disse...

Doug pega aurora nos seus super braços!!
Ai!! Vc tá me fazendo suspirar...

Thaís disse...

O que vai acontecer?
To super ansiosa...
Por que parou no capítulo 10?
Posta até o final.
Parabéns, você é otima...

Aninha Barreto disse...

o que aconteceu ?????

Ocorreu um erro neste gadget