9 de jul de 2011

Cap 19: Garoto de Ferro (Doug)

_ Doug, Doug!

Eram gritos no escuro e a voz não era minha. Eu queria ver, mas não podia me debater no espaço infinito, adimensional, negro, fundo e frio. Senti que forçava só porque doía, mas não havia corpo, matéria contra matéria, muito menos gravidade. Como se a força contra o nada pudesse ter sucesso, eu começava a distinguir uma voz.

Antes de chegar ao nome de Aurora, eu senti uma leve descarga de prazer e ansiedade como se meu corpo primeiro a encontrasse. Em seguida, veio a imagem do seu rosto, saindo da primeira fonte de luz vermelha e amarela. Ela era envolta por uma áurea incandescente e tinha olhos de fera, verdes, grandes e brilhantes. Como se o obturador da câmera da minha mente se abrisse, permitindo mais luz, a cena se ampliou em um ângulo maior, trazendo profundidade e dimensão.

O mato ardia em labaredas e os cães se foram. Eu só podia lembrar deles, já não os via mais. Aurora havia me salvado com aquela idéia genial de afugentá-los com uma rapidez precisa e oportuna.

Senão, o que seria de nós? Eu. Eu era o que agora? Tinha morrido e estava no túnel escuro que leva para o outro lado? A idéia me trouxe pânico, vontade de acordar do pesadelo. Apertei a garganta, puxei o ar e a luz finalmente entrou pelos meus cílios e consegui forças pra empurrar as pálpebras para cima. Ali estava o mundo outra vez, no mesmo lugar e era do tamanho de um quarto de hospital. Senti uma fisgada no ombro e com o canto de olho vi que estava enfaixado.

Aquilo me demandava muita força. Deixei os olhos caírem pesados outra vez, mas chamei Gisele pela minha mente e ela não demorou para responder.

_Oi! Você já acordou?! Estamos tomando café com a mãe de Aurora. Vamos voltar...

_Aurora? Onde está?

_Ela estava muito mal, mas vai se recuperar. Doug, a Felícia veio te visitar... Não se surpreenda se te procurar...

_Qual humor dela?

Tive a desagradável lembrança de quando nossa controladora me trouxe da última vez a notícia de que iria me expulsar dos Alfas pelo meu comportamento rebelde. Eu queria dizer que esse era meu desejo também, mas não podia ter minha liberdade e ficar longe da minha família. Era preciso ter uma coisa e pagar o preço alto da outra.

_Felícia cumprimentou meus pais porque, afinal, você está no top, do top do interesse pelos Alfas e agora vale ouro pesado, maninho. Aquela sua brincadeirinha com fogo foi sensacional. Nossa amiguinha não poderia ter sido mais circense! Agora, todos querem acompanhar vocês. Nossos jogadores ganham, nossa família Alfa ganha... e as empresas faturam muito investindo em nossa vida glamorosa.

_Um momento, é a Felícia. _interrompi minha conversa quando recebi uma ligação de Felícia. Permiti que ela aparecesse em holografia do meu lado esquerdo, ao lado da maca. Seu corpo translúcido continuava bonito e esguio. Era uma ambiciosa gerente de experiência de marca de cabelo azul curto e olhos gelo.

_Como está, meu garoto? Fazendo arte? Tivemos que repor seu osso do ombro por uma parte mecânica. Aquele animal nos assustou. Olha por onde se mete.

_Eu tenho certeza de que os jogos da noite pagaram a internação. _lembrei-a sem muito humor.

_Eu vim vê-lo e lembrar a você e sua irmã de que devem ter mais cuidado quando inventarem uma mentira. Precisavam ter dito ao pai da garota que houve um problema no carro?! Doug, o carro era zero, levamos dois meses negociando a exclusividade do seu uso no lançamento. Sabe lá como vou resolver essa questão diplomática agora! _dramatizou como se fosse impedir um conflito entre países.

Gisele se saíra muito bem adiantando essa desculpa. Ela não era do tipo que podia se esperar medir as conseqüências quando confiava na minha popularidade pra trocar de marca de carro como troco de roupa. Gi não deixaria que Aurora ficasse em encrenca com seus pais.

_Eu vou postar para os jogadores uma mensagem de que estou bem e que Gi teve que mentir para o pai dela para que não achassem que estávamos ali nos pegando sem motivo..._ falei com voz fria e arrastada, me passando pela cabeça agora de que Gisele não fora tão genuína assim. Sabia que depois teria que citar seu nome como salvadora e ganharia com isso também.

_Não precisa mais. Já outra marca oferecendo o dobro. Você precisa entender que nem sempre teremos uma sorte assim. Como administradores da sua vida, nós precisamos ter um portfólio com muita credibilidade e confiança! Você mais parece uma bomba relógio. Nunca tive alguém que me desse tanto trabalho...

_E tanto dinheiro. _completei.

Ela olhou-me de braços cruzados com seu terninho apertado que contraía os seios, que formavam uma leve curva na brecha da blusa social branca.

_Como está a garota? _ perguntou em contra gosto.

_Por que me pergunta, se já sabe?

_Teremos que ajudá-la a se vestir melhor. Como posso montar o seu perfil e vendê-lo, se tenho que explicar que junto vem uma garota estranha? _ franziu a testa.

_Consiga as marcas, eu te dou o destaque de que precisa, mas Aurora fica fora disso. Não quero que ela seja agenciada, ela não é uma Alfa e não saberia lidar com a situação.

Ouvimos o barulho da porta se abrindo e minha mãe apareceu.

_Não pense que acabamos esse assunto. _Felícia prometeu. _ A chave do seu carro novo está na cabeceira da maca. _ desapareceu.

_O que ela queria? _ minha mãe me perguntou. _ Gi me contou que acordou. _ fez um carinho no meu rosto. _Logo vou te levar pra casa. Não sabe o como estou arrependida de ter te pedido pra seguir as ordens de Felícia de levar a garota pra passear com o carro. Não estou nada satisfeita com o dinheiro que ganhamos, se isso te custou quase a vida...

_Estou bem. Tenho uma saúde de ferro.

_Se continuar assim, você vai ser todo de ferro! _ sua voz perdeu um pouco a ternura.

Dei-lhe um largo, branco e amigável sorriso de filho arrasador.

_Você é meu maior bem, Doug! _ acariciou meu braço. _Agora, descansa mais um pouco... _ abaixou a luz do abajur e eu fechei os olhos.

Ainda ouvi o barulho da maçaneta e o ranger da porta outra vez.

_Oi, Desculpe chegar assim..._era a voz da mãe de Aurora. Minha mãe virou-se e eu abri os olhos mais um pouco quando vi quem estava atrás da mulher: Aurora.

Nossas mães saíram com a desculpa de outro café e nos deixaram a sós. Sorri-lhe.

Aurora estava pálida, frágil e suas mãos, enfaixadas.

_Suas mãos... Como fez aquilo? _perguntei, ansioso pela oportunidade de saber.

Ela pensou demais, o que denunciava que não falaria a verdade.

_A única coisa que tem que lembrar é “por que eu fiz aquilo”. _disse, agora muito perto, com o rosto inclinado sobre o meu.

_Doug... _ passou a mão na maça do meu rosto e falou bem baixinho. _ Você pode imaginar um sentimento maior do que esse? _lambeu os lábios e depois mordeu o inferior, deixando-o mais vermelho. _Ninguém mexe com o meu Alfa. _sorriu e pegou com a ponta dos dedos não enfaixados o meu cordão. Seus olhos de novo subiram do meu peito para minha boca até parar nos meus olhos.

Felícia ficaria feliz e mais calma agora com o resultado da repercussão do que estava prestes a acontecer? A valorização do meu personagem naquele jogo era totalmente devido a Aurora e é por isso que ela viera ali atrás da garota. Me ver fora só uma desculpa.

Aurora beijou-me e eu esqueci Felícia com o contato quente de nossas bocas. A adrenalina me dera impulso pra levantar o peito e agarra-lhe os cabelos por baixo da nuca. Sua cabeça se inclinou para o lado e o beijo tornou-se mais profundo, quente, prazeroso. Eu podia imaginar um sentimento maior que o seu: o meu.


[Continua]

5 comentários:

Camila disse...

MARAVILHOSO!!!!!!

É SÓ QUE EU TENHO A DIZER!!!

AH E LARO QRO MAIS...KKKKKKKKKKKKK

Layane Lima disse...

Li,
Lembra de min? Eu era a garota anônima que postava comentarios por "Lay", que foi chata e ficou cobrando a volta de "Angélica fora do paraiso"... Fiquei meio afastada por problemas, mas voltei! Fiz um blog e voltei a ler Aurora.. e estou amando! Você se supera cada vez mais! Continua, pelo amor de Deus, pois estou muito curiosa!!
Bjs

Anônimo disse...

Li, eu estive sumida por uns dias (todo mundo tem que ter férias um dia, e a mim, tirar férias inclui a internet também). Vou lhe dizer que adorei os últimos capítulos e que estou tremendamente interessada nas ações que o Doug tomará. Beijos, Verônica Medeiros.

Lucia K. disse...

luciak@uol.com.br Estou fazendo a orelha e me deliciando com os seus blogs, histórias e comentários. Beijo,querida. É tudo incrível.

Lucia K. disse...

Me avisa quando vc postar novo capitulo. Bjs.

Ocorreu um erro neste gadget