7 de set de 2011

Cap 23: Contra parede (Aurora)

Depois de almoçar na casa de Doug, ele se explicou que precisava sair. Enquanto isso, eu resolvia o meu “problema de estilo” com sua irmã. Perguntei o que era aquilo em sua mão, obviamente já sabendo que era uma agenda.

_Meus compromissos. _respondeu.

_Posso ver?_cheguei mais perto.

Ele só levantou os olhos pra mim, mas não afastou a fina película eletrônica em sua mão.

_Ainda usa uma dessas, pensei que podia guardar tudo em sua cabeça._brinquei.

Ele sorriu como seu eu tivesse dito uma coisa muito infantil e me deu um beijo complacente, afastando com desdém o aparelho, na tentativa de me dissuadir da minha curiosidade. Se eu quisesse saber cada vez mais sobre ele, deveria manter minhas portas abertas também pra quando viesse vasculhas meus segredos.

_Eu vou agora a um jogo com os amigos, usando uma roupa que tá escolhida pra mim lá em cima da cama, com o carro que está estacionado lá fora, com o relógio que acabou de chegar e ainda está em cima daquela mesinha na caixa. _falava com paciência, mas sem empolgação, como se detalhasse a rotina burocrática de um escritório.

_E não precisa de uma garota ãnh..._beijei-lhe a boca e fiz carinho em seu abdômen._... pra te entreter mais... e ir com você?_ disse as palavras entrecortadas de beijos.

_Nesse caso... _afastou meu cabelo e me inclinou sobre o sofá gostando muito da brincadeira. _... É melhor eu ficar e pegar essa garota pimentinha vermelha.

_Ah! _dei um gritinho e ri com a cabeça pra trás enquanto beijava meu pescoço.

_Eu tenho que ir, mas prometo levar você amanhã pra escola e a partir daí você estará sempre ao meu lado. Você realmente ainda quer fazer isso, certo? Eu não quero te pressionar a nada. _ disse com os olhos azuis claros como um mar quente do Caribe.

_A única coisa que eu quero é não ficar longe de você. _ sorri agora sentada e ele puxou meu pescoço com um gancho formado pelo seu braço forte atrás da minha nuca pra beijá-lo novamente agora com muita vontade, apertei meu punho na sua camisa.

_Você gosta de brincar com fogo, né? _ sussurrou no meu ouvido baixinho, me arrepiando os pelos da nuca.

_Ah, você não tinha mandando essa ainda hoje. _desdenhei e ele me abraçou mais carinhoso, me deixando tão aconchegada em seu corpo._Não vai não, fica aqui..._ implorei melosamente aspirando o cheiro bom da pele do seu pescoço, friccionando meus lábios por ali. Dedilhei seu cabelo em uma massagem relaxante.

_Isso é alguma técnica de hipnose pra me prender ao sofá? _brincou.

_Hum...Já descobri seu ponto fraco?_ fiz cócegas em sua barriga e usei o pior método, pois tentou evitar e ganhou o espaço necessário pra ficar longe das minhas mãos e se levantar._Chamei a minha irmã e ela está vindo aí. _anunciou de pé e olhei para trás dele, esperando que Gisele aparecesse de alguma porta. Eu esquecia que ele podia conversar sobre qualquer coisa enquanto estivesse comigo que eu não perceberia.

_Volto à noite e te levo em casa._ inclinou-se para o beijo de despedida e subiu as escadarias que davam para o seu quarto.

Fiquei sozinha na sala por alguns instantes e Gisele apareceu, me chamando pra ir até o seu quarto. Aceitei e paramos lá, onde havia muitas sacolas de todas as cores e tamanhos que nem a maior árvore de natal comportaria na copa do pinheiro. Eu pensei que estaria ali para uma aula de estilo.

_Presentinhos pra você. _ela sentou na cama e ficou me avaliando. Será que estaria tentando me imaginar com outras cores de cabelo?

Sentei-me em uma poltrona e puxei uma das sacolas, de onde tirei uma jaqueta incrível. Minha boca levemente se abriu.

_Aurora, eu vou te fazer umas perguntas e você responde se sim ou se não, ok?

Senti medo daquele tipo de proposta mais do que a tarefa de usar todas aquelas roupas. Antes que ela começasse a falar, Doug entreabriu a porta para um tchau.

_Uau, vai para um desfile, não? _assoviei e ele riu. Estava matador, com o cabelo bagunçado uniformemente e uma calça que realçava suas pernas fortes. O relógio prata brilhante no braço e um perfume sedutor.

_É isso o que fazemos... _sorriu e me deu um beijo de despedido. _Volto daqui algumas horas.

_Tchau. _pisquei o olho e fechei a porta, ainda com um sorriso aberto na boca.

_Você gosta muito do meu irmão?

_Claro.

_Você faria qualquer coisa por ele?

Que tipo de perguntas de cobrança era aquela? Já sei, Gisele tinha muito ciúmes do irmão mais velho. Acho que eu podia lidar bem com isso.

_Bom, acho que sim, veja que estou aqui... participando do plano.

_Qualquer coisa é quaaaalqueeeerrr coisa?_ insistiu.

_Não estou entendendo. _pisquei o olho e balancei levemente a cabeça para os lados.

_Você é humana?

[continua]

Você acha que Aurora vai falar a verdade? O que Gisele quer com isso?

Um comentário:

Gabi disse...

NOOOOSSA!!!!

Muito bom, cada vez melhor!

Acho que a Gisele Quer ajudar eles a ficarem juntos, mas não quer perder tudo que eles tem, ou que eles podem ter.

estou anciosissima para os próximos capítulos.

Ocorreu um erro neste gadget