11 de set de 2011

Cap 25: Eu fiz isso pra protegê-los. (Doug)

Trilha do capítulo clique aqui

Estacionei o carro próximo ao gramado da entrada, não colocaria ainda na garagem subterrânea, pois precisava levar Aurora de volta pra casa. Sorri ao olhar o perfil de duas silhuetas atrás da cortina do quarto de Gisele. As duas deviam estar se dando bem e eu estava ansioso pra vê-las e fugir daquele jogo. Mas, o trabalho já estava acabado.

_Quem bom que chegou. _era a voz de Gi, me chamando pelo chip. _ Aurora ainda não está pronta, te encontro na biblioteca. Podemos falar?

Falar? Não poderia ser amanhã? Porque eu pretendia passar o resto da noite com Aurora. Mas, Gisele só acrescentou “Sozinhos. Desligue seu sincronismo.”

Sabíamos que não devíamos ficar off muito tempo, mas havia no nosso contrato esse direito, então, não gastávamos as chance de fazê-lo se não fosse muito importante. Isso explicava porque eu devia adiar um pouco minha programação.

Encontrei minha irmã sentada no sofá verde musgo de veludo comum, mexendo na pulseira de ouro com penduricalhos. Seus olhos pintados levantaram-se para mim, tinha o rosto perfeitamente maquiado e a boca brilhante de gloss. Aposto que tinha chamado o serviço express de embelezamento. Não era raro ver bater na porta aqueles três homens vestidos de branco com suas maletas prateadas atravessar o corredor e encontrá-la em seu quarto. Provavelmente, estavam com Aurora agora.

_Tudo bem? _perguntei só pra introduzir, não estaria se não estivéssemos ali em silêncio para nossos jogadores para um diálogo particular.

_Nós somos irmãos e eu não esconderia nada de você. _ sua voz era carinhosa e doce, mas não atenuava a gravidade do seu rosto e seus olhos procurando outros lugares que não os meus para preparar o que fosse dizer. _Nós sempre nos protegemos, lembra? Desde pequena, eu poucas vezes tive medo, porque você sempre estava lá. Mesmo que não fosse por perto, eu podia chamá-lo por minha voz e você estaria na minha mente me dando as instruções.

Não era para eu dizer nada, porque agora ela realmente estava me dando medo.

_Doug, eu quase enlouqueci quando você tentou sair dos Alfas por causa daquela garota. Nós sempre seremos uma família, porque nós temos a nossa própria verdade.

Ela estava com medo de que eu deixasse tudo por causa de Aurora?! Ciúme?

_Não vai acontecer outra vez. _sorri e toquei a ponta do seu nariz fino com o indicador e segurei sua mão pousada no vestido florido de babado._ Eu amo vocês. E como disse, sempre estarei por perto pra protegê-la.

_Eu também. Sempre! _abraçou-me, envolvendo meu pescoço com os dois braços finos e me beijou o rosto. Espero que não tivesse deixado marca! _Sempre vou estar por perto pra quando precisar. _sorriu e olhou diretamente nos meus olhos. _ Por isso, que eu quero te contar uma coisa. Somos só nós dois, certo?

_Ninguém pode nos ouvir._sussurrei. Ainda havia mais?

_Doug, eu não vim aqui te pedir pra desistir de nada, ok? _suas palavras estavam saindo com cuidado. _Eu só quero que se proteja.

_Do quê?

_... _ela contraiu os lábios uns sobre os outros e soltou o ar. _Eu conversei com a Aurora. Ela realmente te ama muito.

_Amor? _franzi a testa.

_Sim, amor. Não é como nós superhumanos que ficamos com várias pessoas e que não temos pressa de fazer as coisas acontecerem. Não é assim, ela te ama. Amor. De verdade. Aquelas feridas que ainda estão em sua mão é porque tentou te salvar arriscando tudo.

Eu sabia de tudo que estava explicando, mas era como se não fosse da forma que estava tentando me dizer e eu não conseguia acompanhá-la.

_Eles vão ser muito cruéis com Aurora. Posso fazer tudo que puder pra ajudá-los, mas se não contar o que sei, você não vai conseguir protegê-la completamente.

_Gisele, por favor, você está me deixando preocupado.

_Doug... _ segurou meu rosto e alinhou nossos olhos. _... É como imaginei, Aurora é... uma humana._a última palavra foi um sussurro pra me agredir o menos possível.

Engoli em seco. Eu não queria saber, eu não queria que me contasse. Tentei levantar, mas Gisele me segurou pelo braço e me fez ficar, pegou meu rosto com força.

_Doug, é verdade, ok? Ela me contou. É mesmo uma humana infiltrada na escola. Se eles descobrem podem linchá-la. Sabemos que serão muito cruéis!

Fechei os olhos e apertei meu maxilar, travando os ossos da face com força.

_Não sinta raiva dela, não quer mentir pra você, só não pode te contar. _antecipou-se aos meus sentimentos. Ouça... _segurou minha mão e me enviou um arquivo de voz e áudio da conversa que tivera com Aurora enquanto eu estava fora. Eu agora podia ouvir a voz da garota: _ “É muito duro não poder querer ninguém, não olhar pra não sentir, impedir que qualquer sentimento cresça, procurar o chão, andar com o capuz sobre a cabeça e fones no ouvido. Mas, o Doug chegou me atropelando e não há como resistir aos seus olhos de oceano, a sua voz vibrando em todo o meu corpo. Eu inteira sigo os seus comandos. Naquela noite, senti que podia me atracar com aquelas feras para salvá-lo. Eu não quero fazer nenhum mal a ele, Gisele. Jamais gostaria de prejudicar seu irmão. Eu sei que viverei muito menos tempo. Por sorte do destino, talvez, nasci tão perfeita e bonita que por muitos anos serei como vocês, aparentemente sem qualquer necessidade de retoque. Só preciso tomar cuidado com a minha saúde. E agora, eu tenho que aprender algumas coisas sobre o mundo dos Alfas. Eu aprendo tudo, eu me transformo no que quiserem que eu seja. Só não conte ainda, pois Doug pode não entender. Não me afaste dele, por favor. Me prometa que não vai destruir a maior felicidade que já tive em toda a minha vida. Me ensine como proteger o mundo dele. Eu escondo o meu como for possível.”

Gisele e eu nos olhamos ao final da lembrança que me entregara para eu entender completamente do que estava falando.

_O que queria me contando e quebrando o segredo que Aurora lhe pediu? _perguntei.

_Não é justo Aurora tomar todos os cuidados sozinha. Já viu um doente cuidar-se sozinho em um hospital? Ela é humana e precisa de cuidados. Se eu não lhe contasse, você não atenuaria seu inferno e isso será a prova do que realmente sente. Você vai precisar silenciar suas perguntas para poder aproveitar todos os momentos, sem se preocupar com os “se”. Ela é humana e precisa querê-la assim. Mas, ao te dar a verdade, também te dou a liberdade de decidir antes de tudo e não jogar na cara dela lá na frente que foi a única responsável por fazer esse sentimento crescer dentro de você.

_Nós dois então mentiremos um para o outro?

_Os dois terão uma mentira bondosa para com o outro e isso será uma verdade, porque o amor que sentem é uma verdade. Você pode negá-la? _Gisele sorriu fraternalmente.

_Você disse que não queria me ver fora dos Alfas, nem longe de vocês. Se algo der errado, isso será muito provável.

_Então, essa é a outra parte da explicação do por quê eu contar o segredo, pois eu não quero que me culpe quando isso acontecer. Mas, eu já sei que terei contribuído de todas as formas pra evitar isso. Eu não quero que esse dia chegue, Doug. Mas, eu não posso pedir que vocês não vivam o que querem viver, porque você e eu somos mais forte que a Aurora, mas há uma coisa que une a todos: nós ainda não somos imortais.

Suspirei profundamente e fiquei com a cabeça vazia de pensamentos. Flutuando, era como se um peso saísse de mim e eu pudesse dividir aquele fardo que já carregava.

_Vou ajudá-lo. Serei a sombra de Aurora, como a mamãe fazia comigo. Ela será linda, sedutora, perfeita. Só não faça muitas perguntas. E aproveite o tempo pra se amarem. Faça isso.

_Eu te amo, sabia? _apertei sua mão. _Você é a irmã mais perfeita do mundo.

_Eu vou te cobrar.

Rimos, sentindo uma descarga de alívio.

_Agora, se quiser ver as primeiras lições que ela aprendeu. Vá lá em cima. Meu esquadrão da beleza já saiu. Lembre-se, sem perguntas.

_Não a transforme em outra coisa. _pedi.

_Eu vou contar com você pra isso também, pois há uma linha muito tênue pra perder o controle. Você sabe o quanto nosso mundo é sedutor. Mas, não se golpeie com o machado do futuro. _encolheu os ombros.

Levantei e fui até a porta.

_Doug. _chamou. Virei-me pra ela ainda sentada. _Se fosse comigo, você faria o mesmo, não faria?

_Não, na verdade, eu daria umas porradas no cara que fosse mexer com a minha irmãzinha. _apontei pra ela e sai.

Já na escada, subindo para o segundo andar, falei por pensamento. “Claro que faria o mesmo por você. Mas, se eu pudesse escolher, não lhe daria essa provação”. Ela respondeu: “A gente não pode escolher”.

Um comentário:

Anônimo disse...

amei, quero mais.....aoksm

Ocorreu um erro neste gadget