16 de set de 2011

Cap 29: Estou aqui sozinha (Doug)

Trilha do capítulo clique aqui


Enquanto dirigia pra casa de Aurora, minha irmã conversava comigo por conexão mental:

_[Doug, cuidado pra não ameaçar o pai dela, pois todos os jogadores estão de olho em você hoje. Se sua sogra gostar dos presentes que eles escolheram, ganharão pontuação máxima.]

Ok, eu estava nervoso, sem saber o que falar e havia pessoas sedentas por suas fichas. Olhei a pequena caixa de veludo e a delicada flor branca rara que Gisele depositara no banco ao lado do carro antes de eu sair.

Estacionei e caminhei até a entrada. Respirei fundo e bati na porta. Precisava lembrar de tudo que lera sobre eles para ter assunto suficiente. Agradecia pela minha aptidão trabalhada desde pequeno para envolver as pessoas. Aurora abriu a porta com um grande sorriso brilhante. Estava vestida de jeans claro, camiseta branca e jaleco de couro velho, com um grande cordão pendendo entre os seios. Parecia tentadora quando a abracei e lhe beijei os lábios.

_Esse é o Douglas, mas eu chamo de Doug. Doug, essa é a minha mãe Sara. _apresentou-me para uma senhora alta, loira e magra, elegantemente vestida em um vestido azul marinho.

_Oi, Doug, seja bem vindo. Fico muito feliz de conhecê-lo.

_Espero que goste. _entreguei-lhe a caixa de chocolates e a flor.

Seus olhos se abriram de espanto e depois piscou para a filha.

_Passou a dica correta, querida. _ riu e Aurora a acompanhou com os polegares no bolso de trás do jeans, me lançando um olhar “boa tentativa, seja lá de onde tirou isso.”

_O cheiro da comida parece muito bom._ comentei, enquanto sentávamos no sofá.

_Óh, você vai conhecer as delícias de Alice. _Aurora apertou minha mão entrelaçada entre a sua. _ É de comer de olhos fechados. Já estou com água na boca. _ repousou sua cabeça em meu ombro. Envolvi-a com meu braço e senti-me tremendamente bem acolhido naquela casa.

_Estamos só esperando o seu pai... _a senhora Sara olhou o relógio, arregalou um pouco os olhos e soltou o ar pesadamente. _Aurora me disse que você é filho da diretora da escola. _ deu continuidade a conversa e respondi que sim, que recém chegamos à cidade.

_E já chegou roubando o coração de ouro da minha filha linda. _ acariciou rapidamente a mão de Aurora. As duas não se pareciam, mas não podia ver mais amor que aquele.

O trinco da porta da sala deu um estalido e o Sr Aquiles virou-se pra fechá-la depois de passar. Parecia relaxado, como se chegasse em seu paraíso depois de um dia de trabalho, pronto para descansar e, não, pra receber visitas. Tive certeza da minha suspeita quando se deparou com nós três no sofá e olhou brevemente para cada um.

_[Estou perdendo alguma festa de aniversário surpresa?]_seu humor de gelo só foi escutado por mim e a Sara através de nossos chips.

_Oi, pai, que bom que chegou. _Aurora levantou-se, tirou seu jaleco branco e o beijou carinhosamente, mas toda a atenção dele estava em mim. _Quero te apresentar o Doug.

_Eu sei quem ele é, é meu aluno nas palestras de genética._ comentou gélido.

Aurora implorou ajuda da mãe atrás de Aquiles e eu tentei não rir. Levantei e o cumprimentei. Era uma honra pra mim ser bem vindo naquela casa, pois Aquiles representava um supra sumo das pesquisas de bio-robótica.

_Vou pedir pra Alice nos servir. _sua mãe saiu pra apressar as coisas, mas não parecia boa idéia nos abandonar ali, pois surgiu um campo de batalha em dois diferentes planos. Em uma dimensão presencial, ele tentava ser amável com sua filha e por nossa conexão mental, falávamos menos afetuosamente.

_[Desde quando estão juntos?]_ questionou-me com o olhar, sentado à cabeceira. Deveria responder também em silêncio?

_[Querido, por favor, não precisamos saber detalhes, apenas que Aurora está feliz.]

Sorri pra Aurora e peguei um pouco da sopa de entrada. Sara disse docemente que esperava que eu apreciasse o jantar com eles.

Bebi um pouco de vinho para me esquentar, como um motor que precisa se aquecer.

_[Eu li que o senhor está liderando uma pesquisa para transplante de corpo.] _comentei.

_[Quem me dera, eu não sou Deus.]

_[Desculpe a minha ignorância, mas já estão conseguindo fazer transplante de rosto, de pele, de quase tudo, um corpo completo.]

_[Estamos avançando muito.]

_[Estão usando humanos pra isso?]_achei pertinente que Aurora não ouvisse aquela pergunta que subitamente tive curiosidade de fazer, mesmo sabendo que era tolice sair do campo das amenidades, mas não me tirava da cabeça as cicatrizes das costas de Aurora. O que ele já tentara fazer com ela que não conseguira transformá-la pelo menos em uma humana mais forte?

_[Você fala como se eu usasse seres humanos como ratos.]_ retrucou.

_[Os seres humanos não deixam de ser o hardware que nossos poderosos softwares aprimoraram.]

_Tenho certeza que vai gostar desse molho de maracujá, Doug. _Sara cortou a ave dourada sobre a mesa. Aceitei um pedaço.

_[Eu estou ajudando a aperfeiçoar os super humanos, isso é nobre.] _defendeu-se.

_[Li que estão fazendo mais do que isso. É verdade que estão dando poderes mais que mecânicos, mas biológicos? Estamos perto da era dos mutantes?]

_[Não dê atenção a mídia. Estou longe disso. Mas, acho que veio aqui mostrar que é namorado da minha filha. Eu já lhe expliquei quais são as condições.]

_[Sim, que vou me arrepender se lhe causar algum mal.]

Sara olhou o marido com horror e não deu pra fingir mais, pois Aurora largou seu prato de comida inacabado e levantou-se bruscamente.

_[É assim que vai fazer pra não magoá-la?] _ ele bebeu sua taça de vinho em triúnfo.

_Você é culpado disso também!_acusou o marido._ Sabe que não gosto que conversemos assim perto de Aurora! _brigou com ele e atirou o guardanapo na mesa antes de sair.

_Desculpe, senhora. _levantei-me também e fui até a sala e a encontrei de pé, observando a filha sentar-se ao piano. Havia um piano ali?! Hei, Aurora sabia tocar?

_Acho que não estragou tudo ainda. _sussurrou. _Você a anda inspirando muito.

O som das notas sobre o comando dos dedos de Aurora enchia a casa de paz. É como se ela soubesse a forma certa de atacar nossos corações e silenciar nossas mentes.

_[Doug?] _era a voz de Aquiles. _[Não tire minha filha de mim.] _poderia ser a frase de qualquer pai, mas ele devia imaginar que eu desconfiava. _Se eu perder Aurora, eu juro que vou ao inferno matar você!

Sara engoliu em seco e continuamos os dois a ouvi-la.

_If I should die before I wake /It's 'cause you took my breath away/Losing you is like living in a world with no air/Oh/I'm here alone, didn't wanna leave/ My heart won't move, it's incomplete/Wish there was a way that I can make you understand/But how do you expect me/To live alone with just me/'Cause my world revolves around you/It's so hard for me to breathe/Tell me how I'm supposed to breathe with no air/Can't live, can't breathe with no air/That's how I feel whenever you ain't there/There's no air, no air/Got me out here in the water so deep/Tell me how you gon' be without me/If you ain't here, I just can't breathe/There's no air, no air...

5 comentários:

Brina disse...

Esse jantar foi bem tenso....adorei esse capítulo, vou dormir com um gostinho de quero mais....
Parabéns Li, vc esta arrebentando!
Bjs

Li Mendi disse...

Sim, foi, agora o proximo cap vai ser a vez de aurora na casa de doug.. vamos ver o que acontece.

Verônica Medeiros disse...

Gostinho de quero mais. Obrigada por estar postando quase todos os dias!!!

Li Mendi disse...

:) rs o De amanhã será O CAPÍTULO!

Gabi disse...

adorei!

Como sempre, só alimentando a curiosidade do próximo capitulo!

Ocorreu um erro neste gadget