2 de nov de 2011

Cap 39 (FINAL): Guardei meu amor pra você (Aurora)

Trilha do capítulo clique aqui

Eu nunca pensei que teria a chance de um dia fazer aquela cirurgia e agora um tubo se ligava ao meu braço preparando o intervalo entre o antes e o depois. Meu pai segurou minha mão em um aperto e não sorriu, ele tinha apreensão e eu só podia sentir ansiedade pra acabar com o silêncio em minha cabeça: queria logo aquele chip.

Era a morte da minha humanidade e o ressuscitar pra a superioridade. Fechei os olhos esperando logo que o efeito da anestesia começasse e ele veio, desligando todos os meus nervos. Não havia nada neste hiato de dias que durou. Pra mim eram só dois segundos e novamente eu estava em um quarto de hospital.

_Querida..._ meu pai sorriu agora sim aliviado pelo êxito. Eu tinha certeza que ele era o melhor pra fazer aquilo. _... Finalmente pudemos tirá-la do coma induzido.

_Pai..._ não conseguia me mexer, só mover os lábios._...Como funciona?_ perguntei.

Ele acariciou meu cabelo da testa e riu. Tinha os olhos brilhantes admirando-me.

_Pode ouvir do lado de fora da janela o beija-flor? _perguntou.

Eu acalmei o espírito e procurei aguçar o ouvido. Sim, eu ouvia o bater das asas. Virei o rosto para o lado e notei as micro partículas de poeira em suspensão no facho de luz amarela do som.

_O que mais eu posso fazer?

_Conversar sem mexer os lábios. _ disse e só então notei que não movíamos nossas bocas. Entre abri a minha, maravilhada. _Pode me ouvir, não?

_Óh... _ri.

_Você merecia o chip mais avançado de todos que já se viu. E terei que trabalhar muito pra pagá-lo. _gabou-se como se me desse a chave de um carro.

_Sua visão e audição estão dez vezes mais apurada e pode conversar com várias pessoas ao mesmo tempo em redes privadas ou compartilhadas. Mas, primeiro precisa se compartilhar pra eu te ensinar toda a potencialidade disso.

Eu aprendia rápido. Lidei com a dor de cabeça inicial, coloquei aplique aumentando meus cabelos ruivos pra disfarçar a pequena área raspada na minha nuca. Eu estava pronta pra voltar pro mundo com tudo.

Achei o cartão de Felícia jogado em alguma bolsa e liguei, maravilhada por não precisar de nenhum aparelho.

_Oi. É Aurora, tudo bem? Você deixou seu contato comigo. Podemos marcar um encontro?

_Aurora, sei que te fiz uma proposta, mas soube de certos detalhes que invalidam a minha oferta. Conversei com Doug e Gisele.

_Pois não deveria acreditar em tudo que eles falam. Por que não nos encontramos no shopping pra almoçar?

_Ãnhhh... Ok, ok._ ela aceitou.

Quando me viu, Felícia fechou um pouco os olhos. Seu perfume foi fácil de reconhecer e achar o nome na internet. Minha mente agora era tão veloz que eu me sentia uma máquina. Podia enxergar a marca da sua roupa entre seus cabelos pelo espelho atrás das suas costas no restaurante.

Eu estava mais alta pelos saltos, tinha a boca pintada de vermelho conforme meus cabelos recém tingidos pra se igualar ao aplique de um ruivo intenso. Eu era um superlativo de mulher agora e isso era uma pista de que eu não estava brincando no telefone.

_Já pediu? _ perguntei displicente, usando muito bem a habilidade de falar por transmissão de voz por ip, usando a rede ativada pelo meu chip. Continuei olhando o menu displicentemente.

_Anh, não... Estava esperando você.

Fiz meu pedido ao garçom e depois inclinei-me sobre a mesa de vido e base metálica.

_Eu vou ser objetiva, eu quero aceitar a sua oferta.

Felícia estava muito, muito desconcertada.

_Por quê?

_Por que preciso.

_Precisa de quê?

_Óhhh, acha que é pelo Doug? Não! É por mim mesma.

_O que te leva a achar que pode ser uma alfa?

_Por todos os motivos que você mesma me falou na última vez que nos vimos.

_Hum.

_Eu sou linda, inteligente, uma superhumana perfeita pra atrair seus clientes pelo marketing de relacionamento. Estou disponível.

_Não é um acordo passageiro, querida. Não poderá enjoar de uma hora pra outra.

_Eu tenho consciência disso. Já convivi bastante com os alfas, não acha? _ desafiei. Ela sabia que me referia a família de Doug e a meu pai.

_Seu pai aprova?

_Já sou maior de idade, tenho meu próprio chip, meu próprio corpo, minhas próprias conclusões.

_Ok.

_Isso é um sim?

_Não. Isso é um teste. Você será uma estagiária por um ano. Andará com nossos alfas e depois de sair do seu período de calouro, eu decidirei qual é o perfil de empresas que irá atender.

_Como quiser.

_Você terá aulas com nossos professores.

_Aulas? Ãnh, ok, feito... _ segurei meu tédio por ouvir a palavra “aulas”.

_Não acha que basta um corpinho bonito, não?

_Tenho certeza que é preciso muita inteligência.

_Também. Você precisa aprender a arte de influenciar. Isso vai além dos seus instintos, que já são bons.

_Já disse, tudo como quiser.

Quando o carro me deixou na porta da festa, eu senti-me apreensiva, mas confiante. Eu era uma superhumana. Havia lido todas as páginas do briefing que Felícia me passara. Não precisava fazer nada além de estar presente.

_Alfa júnior chegando. _ouvi uma voz na minha cabeça e identifiquei um rapaz sorrindo pra mim com cabelos dourados encaracolados na entrada. Como eu saberia se era ele o dono daquela voz ou só um flertador?

_Alfa júnior, encontre seu grupo na mesa do segundo andar, próximo a janela onde uma mulher está de vestido amarelo.

_Entendido. _respondi e peguei uma bebida. Tinha que relaxar.

_Alfa júnior subindo as escadas.

Droga? Aquela voz masculina ficaria nos meus ouvidos a noite toda dizendo o que eu fazia, pior, me chamando de júnior?! Saco. Um ano?!!! Era esse o prazo?

Caminhei pelo mezanino e vi um grupo de rapazes com o perfil de capa de revista abraçados com suas garotas. Minha audição perfeita conseguia separar a voz deles da música eletrônica alta.

_“Doug, mais uma caloura pra a gente se divertir!” _ todos riram, mas não me afetei tanto com o preconceito quanto ouvir o nome “Doug”.

Soltei o ar pela boca, engoli em seco e puxei a imagem que tinha tirado de mim no espelho antes de sair de casa. Estava com um vestido azul marinho de acetinado preto tomara que caia de uma grife famosa e cabelos semi presos.

_Não pensem que não posso ouvi-los, rapazes... _disse-lhes e cheguei sorrindo, confiante, pé na frente do pé, como uma modelo.

Os rostos viraram-se pra mim, mas meu foco era naquela nuca loira.

Doug fixou seus olhos azuis em mim e os desceu até meu pé, escaneando o que via.

_Aurora?

_Ultimamente estão me chamando de Alfa júnior, mas pode me chamar de Aurora. _ ri, deliciada pelo meu novo poder de falar pela mente.

_Você o quê? _agora sua boca se mexeu, testas franzidas, horrorizado.

Ignorei-o.

_Deni, quem é Deni? _perguntei.

Um rapaz apareceu e quase duvidei que fosse segurança. Tinha o cabelo comprido e preto. Era tão liso que precisava conter atrás da orelha. Seu rosto era indígena e duro, sério. Tinha um corpo forte por trás do terno preto.

_Soube que preciso ser sua sombra por um ano. _ sorri-lhe. _Puxa, pensei que me apareceria um velho de cabelos brancos com um livro de boas maneiras.

_Quer que lhe passe meu currículo?_levantou uma sobrancelha.

_Eu vou me aposentar fazendo o que esse cara faz. _brincou um dos rapazes, tomando um beliscão de sua falsa namorada loira.

_Vamos dar uma volta, então. _ ele polidamente pegou minha mão.

_Aurora? _era a voz de Doug.

_Você não pode ter virado uma Alfa! _ sua voz tinha desespero.

Aceitei sua conversa em uma linha particular, mas mantive-me descendo as escadas, dando-lhe as costas.

_Eu guardei meu amor pra você, Doug. Mas, você não quis. Agora, vou trabalhar.

[FIM do livro 1. Quer continuar lendo a saga, vá até a parte 2. Clique aqui.]

8 comentários:

Anônimo disse...

UUUAAAALLLLLL, ADOREI...BJS.

Anônimo disse...

Liii, eu já disse que vce é demais? Pois voce é!!! Muito bom esse novo capitulo!!

Gabi disse...

ahhhhhhhh ataque cardíaco a vista!

Você se supera a cada capitulo!

Medeiros disse...

Li, muito, muito obrigada por voltar! Me pergunto: o que Aurora quer com isso? Porque não ser só uma supehumana com poderes? As ações dela estão me deixando LOUQUINHA da vida. Por incrível que pareça eu entendo o Doug, mas não Aurora. Arg, ela é tão imprevisível como o fogo.

dani disse...

Uau... estou amando o romance!!!

princesskarla disse...

Estou aqui louca pra ler o restante, sou apaixonada por todos os seus livros, principalmente os de militares, acho que vivo junto a história, choro, suspiro, dou risada, me apaixono...quero mais, muito mais. Fico aguardando a proxima historia, leio e releio os livros, amoooo...parabéns pelo trabalho.

Anônimo disse...

Nossa ki ansiedade, ta muito bom Li, eu só acho ki a Aurora ñ deveria fikr ( ou fazer ele sofrer muito) com o Doug pq cara ele é muito safado, eu pensei ki talvez ela fosse fikr com akele humano pelo qual a giseli tava interessada ou com algum outro...bem q o Doug merecia né?

Li Mendi disse...

Meninas, muito bom estar de volta tb! to aqui reescrevendo um coração em guerra pra quem gosta de livros militares.

Ocorreu um erro neste gadget